segunda-feira, 30 de setembro de 2013

LP: ES-PORTA-SOM (1986)

ES-PORTA-SOM, é um LP lançado promocionalmente no ano de 1986, pela Rede Gazeta de Comunicações, com apoio da gravadora Som Livre, cujo o objetivo era de divulgar os cantores e as bandas do Estado do Espírito Santo. Na década de 80, vários clipes de cantores e bandas capixabas eram exibidos pela Rede Gazeta.
LADO A
01-Maresia tropical (Lula)
02-Terra nova (Guto Neves)
03-Cara comum (Pó de Anjo)
04-Pássaro coração (Paulo José)
05-Bip bip (Jô de Almeida)
06-Rockrise (Thor)
LADO B
01-Banho de estrela (Woops)
02-Juntinho de você (Carlos Bona)
03-Acordar (Exudus)
04-Aeroporto dos sonhos (Reza Forte)
05-Canção brasileira (João Pimenta)
06-Aqui no deserto (Afonso Abreu)






SITES:


MAHNIMAL

Em junho de 96, foi a vez de ganhar o prêmio de melhor arranjo no Festival Nacional de Música, em Alegre - ES, dentre 360 músicas inscritas, onde o MANIMAL mostrou o Rockongo pela primeira vez para um grande público (cerca de 20 mil pessoas). Em agosto do mesmo ano a Rádio France Internationale (RFI) aponta "Rockongo", entre as 440 músicas de outros artistas internacionais, como um dos 8 melhores trabalhos da América Latina e Caribe, o que garante sua inclusão no CD "Lês Decouvertes 96 de RFI", com distribuição mundial. Um mês depois, o MANIMAL assina contrato com a gravadora Polygram, selo Doma Discos, que tem a frente o empresário Dodi Sirena (Roberto Carlos, Julio Iglesias etc.) e entra em estúdio , no carnaval carioca de 97, com o produtor Carlos Savalla (Paralamas, Legião, Pato Fú, Etc.).
O primeiro sucesso do CD MANIMAL foi a música "Tequila Brown" que logo alcança o 1º lugar em várias rádios do ES, MG e Bahia. Em março de 98, o MANIMAL ganhou o Troféu Guananira como o melhor CD de 1997 e, por meio dos votos dos leitores do jornal A Gazeta, de Vitória - ES, é eleita a melhor banda do ano de 1998 e 2000.
Em junho de 98 o MANIMAL se muda para São Paulo, onde realiza uma série de shows e entrevistas, como nos programas VideoShow, Raul Gil, Quem Sabe Sábado, Metrópoles, Top Teen e nos jornais Folha de São Paulo, JB, O Globo, Planet Music e outros. Em setembro daquele ano, após gravar a faixa título do 12º CD de Zé Geraldo, "No meio da área", o MANIMAL foi convidado pela produtora Byngton & Casé para se apresentar na Expo 98, em Lisboa. Aos 30 minutos do Show, o convite foi estendido para uma nova apresentação no mesmo dia e, ao final do 2º show, foi contratado para encerrar a participação brasileira no evento.
A partir daí, o MANIMAL estende sua temporada pela Europa e, o que seria uma semana, transformou-se em um tour de 34 dias, passando por Portugal, França, Espanha e Itália, num total de 11 apresentações. O encerramento da turnê foi em Portugal (no Paradise Garage) de onde o MANIMAL saiu com um CD gravado ao vivo e a música "Tequila Brown" colocada no Top 20 da rádio portuguesa Metropolitana FM. Em julho de 99, o MANIMAL foi convidado para uma nova temporada européia, quando realizou 10 apresentações pela Espanha, Bélgica e Portugal, em alguns dos maiores festivais de World Music da Europa (Sfinks, Del Grec etc.), sendo destaque na mídia de todos os países por onde passou.
Durante o ano 2000, O grupo se concentrou na produção independente de seu segundo CD, "Tow Tow", muito bem recebido pela crítica especializada. Em Março de 2000, o Manimal recebe o Troféu Guarnice, como melhor trilha sonora original no XXIII Festival de Cine Vídeo do Maranhão, e em outubro, o MANIMAL é considerado como uma das bandas mais promissoras do Brasil, foi convidado para gravar um clip para o programa Fantástico, da Rede Globo, apresentado por Marcelo D2, obtendo repercussão nacional.
Experimentando o doce do sucesso junto a crítica, aos produtores musicais das gravadoras e as produções de TV, sendo chamado para os programas de maior audiência (como recentemente no "Programa Livre", onde foi "obrigado" pela produção a executar dois números, quando o usual é apenas um), e teve lançamento do CD no SESC Pompéia (SP) entre outros eventos.
Em 2002, o Manimal lança o álbum "Espírito Congo". É o terceiro CD do Manimal, que assinou contrato com a Indie Records em 2002, e teve esse trabalho relançado pela nova gravadora em meados de 2003. O CD tem a participação especial de Da Gama, do Cidade Negra, na faixaPromessa. A conhecida toada Velho da Palmeira, do folclore capixaba, ganhou uma versão hardcore de tirar o fôlego. Segundo os integrantes da banda, parte da venda desse novo trabalho será dividida entre todas as bandas de congo do Estado, através das suas associações. Só no Espírito Santo, o “Espírito Congo” vendeu mais de 20 mil cópias. O congo, o mar e o amor, são os principais temas do "Espírito Congo". Com a mesma formação desde que surgiu, o grupo é uma das mais respeitadas bandas do Espírito Santo e responsável pela inclusão do ritmo do congo ao mundo pop. O Manimal apresenta o ritmo de braços dados com o rock, o reggae, o samba, o ticumbi, o jongo, a música eletrônica, a MPB e o pop. Um verdadeiro vulcão musical que tem um pé na modernidade e outro na cultura popular.
No ano de 2005 gravou o primeiro disco ao vivo, na ocasião de sua participação no "Festival Oi Vitória Pop", na Praça do Papa, em Vitória, no Espírito Santo, diante de um público de mais de 30 mil pessoas. O espetáculo também contou com a participação especial de Cláudio Zoli na música "Encontrei" (Amaro Lima, Marcos CP e João Villas Boas) e de DaGama (da banda Cidade Negra), na música "Promessa", ambas também incluídas no CD "Manimal Ao Vivo", no qual também a banda interpretou suas composições mais conhecidas, entre elas "O beijo do vulcão" e "na puxada da rede". No CD ainda foram acrescentadas "Mama África" (Chico César), "Quatro meninas" (Daúde), "Onde você mora" (Marisa Monte e Nando Reis), "Água de benzer" (Amaro Lima e Alexandre Lima), "Tio Pedrito" (versão: Alexandre Lima e Amaro Lima), "Na puxada da rede", "Não nasci pra ser pobre" (Lúcio Manga e Fábio Dalvi), "Boa Vista" (Xumbrega, Big Roger, Bid e Júlio Negada), "Madalena do Jucu" (colhida na Associação das Bandas de Jogo da Serra), "Meu Santo Antônio" e "Solte os cabelos", estas duas colhidas nas bandas de Congo do Espírito Santo. O DVD também trouxe como extras o resumo do documentário "Espírito congo", dirigido por Antoine Viollete, da La Luna Productions (França); os videos "Na linha de fogo" e "Instante sem fim" e ainda o histórico da banda com os projetos "Congo na escola" e "Manimal na escola". O DVD contou com a direção do fotógrafo Roberto Burura, diretor de cinema com o qual o grupo havia trabalhado em vários eventos, entre eles "Festival IIha em Movimento" e "Movimento na Curva" e produção de Thomas Gruetzmacher , com edição da 5600K (SP), mixado no IAV (SP) e masterizado no Magic Máster (SP). A Autoração ficou por conta do Mega Estúdios (SP). Ainda em 2005 a banda participou da gravação do DVD Zé Geraldo, em São Paulo. A banda além de apresentar-se em diversos palcos pelo Brasil, também fez turnê com 30 shows pela Europa.
Em 2008, a banda Mahnimal, perdeu o seu baterista Queiroz, devido um infarto pela manhã do dia 10 de abril de 2008. Queiroz acordou por volta das 11 horas, para tomar café da manhã, já que teria um show em Bragança Paulista/SP no mesmo dia. Em seguida, o baterista começou a passar mal e morreu na hora. A banda Mahnimal encerrou suas atividades após a morte do baterista.






COMPONENTES FUNDADORES:
Alexandre Lima (Vocal / Guitarra)
Amaro Lima (Baixo e vocal)
Queiroz (Bateria)
Fábio Carvalho (Percussão)
Ronaldo Rosman (Percussão)

ÚLTIMA FORMAÇÃO:
Alexandre Lima (Vocal / Guitarra)
Ronaldo Rosman (Vocal e Efeitos).
Xuxinha (Bateria)
Wagner Cidreira (Vocal / Baixo)
Castanha (Percussão )


DISCOGRAFIA:
(1997) MANIMAL
1. Mestre Armojo
2. Rockongo
3. Tequila Brown
4. À Toa
5. De Que Vale Tudo Isso
6. Lugar
7. Não nasci pra ser pobre
8. Sertãozinho
9. Mobral
10. Quero entender
11. Festa no céu
12. Calos da Vida
13. Charles Capoteiro
http://www.4shared.com/rar/DHf2iqfe/MAHNIMAL_-__1997__Manimal.html?

(2000) TOW TOW
01-Bino santo
02-Sabe o que acontece
03-Tio Pedrito
04-Intro05-Encontrei
06-Rainha do congo
07-Macaco babão
08-Ficção científica
09-Pancada iluminada
10-Água de benzer
11-Solte os cabelos
12-Tow Tow
13-À Toa


(2002) ESPÍRITO CONGO
1 –  O Congo, O mar E O Amor
2 –  Marina
3 –  Na Puxada de Rede
4 –  Detonou de Madrugada
5 –  Homem, Plantas E Animais
6 –  Valeu A Pena
7 –  Fala Balduíno (vinheta)
8 –  Bendito Benedita
9 –  Atravessar O Mar
10 –  Barco do Amor
11 –  O Beijo do Vulcão
12 –  Promessa
13 –  Fala Mauricio
14 –  Amor Matador
15 –  Ultracongo (vinheta)
16 –  O Velho da Palmeira
17 –  Mandinga do Cangueiro


(2005) MANIMAL AO VIVO
01-Água de benzer
02-Tio Pedrito
03-Mama áfrica
04-Na puxada de rede
05-Intro/Encontrei
06-Beijo do vulcão
07-Maria elétrica
08-Promessa/Onde você mora
09-Valeu a pena
10-Madalena do Jucu/Meu Santo Antônio
11-Solte os cabelos
12-Marina
13-A minha menina
14-Não nasci pra ser pobre
15-Na linha de fogo (estúdio)
16-Instante sem fim (estúdio)


(2008) MAHNIMAL LIVE IN MONTREUX JAZZ FESTIVAL*
*Este CD nunca foi lançado, pois antes de seu lançamento o baterista da banda Queiroz faleceu depois de realizar um show numa cidade do interior de São Paulo, no ano de 2008.
01-Amor Matador
02-Vagabundo






VIDEOGRAFIA:
(2005) MANIMAL  AO VIVO
01-Mandinga do Congueiro
02-Água de Benzer
03-Tio Pedrito
04-Mama África
05-Na Puxada de Rede
06-Intro/Encontrei
07-O Beijo do Vulcão
08- Maria Elétrica
09-Promessa/Onde Você Mora
10-Tequila Brown
11-Valeu a Pena/Boa Vista
12-Madalena do Jucu/Meu Santo Antônio
13-Solte os Cabelos/Cabelo Louro
14-Marina
15-A Minha Menina/Quatro Meninas
16-Não Nasci Pra Ser Pobre/Não Há Vagas
17-Na linha de fogo (estúdio)
18-Instante sem fim (estúdio)
Extra do DVD



CLIPES:
Na Puxada de Rede

Na linha de fogo

Instante sem fim



VÍDEOS:
Mahnimal – (2006) Tour Europe Live In Belgium (Festival Polé-Polé)













SITES:

HERANÇA NEGRA

Formada em 1995, a banda capixaba Herança Negra faz música inspirada nas origens do povo negro, uma alusão à própria história de vida de cada um dos membros da banda. Sua formação original, teve como músicos: Jonathan (Vocal), Jorman (Percussão), Isack (Guitarra), Nelinho (Baixo), Barol (Teclados) e Júnior (Bateria). Depois de um longa gestação saiu "Herança Negra de um povo guerreiro", o 1º trabalho da banda Herança Negra. O CD foi finalizado no Estúdio S2, de Val Martins, ex - integrante da banda Yahoo, e contou com a produção musical de Rogério Lima. Nas faixas, a síntese de quase cinco anos de trabalho, onde o reggae predomina, mas que também tem outros ritmos. Um caldeirão rítmico em que a banda sempre bebeu. O som pulsa forte, resultado da diversidade musical brasileira e de outros ritmos que eles incorporaram ao repertório. O resultado é uma banda que não procura rótulos. Ora soa reggae, ora soa soul, ora também tem samba, porque não! Os ritmos afros se fundem aos scratches dos dj's, a guitarra sobe e o baixo acompanha. Esse é o patrimônio musical que a banda carrega no sangue. É a "Herança Negra de um povo guerreiro".
Mesclando as mais modernas tendências do Reggae com outros estilos musicais como o Soul, Rock e Samba, a banda Herança Negra tem se destacado no cenário musical capixaba e nacional como uma banda de personalidade e identidade própria.
Com 16 anos de estrada o grupo mostra toda sua musicalidade em canções que falam de amor e luta, entre outras situações do cotidiano.
A banda tem três CDs gravados: RANDOM, de 2007, que mostra a sincronia do grupo capixaba com o resto do país, unindo músicas dos dois CDs anteriores, uma música inédita “Em Algum Lugar” e gravações de importantes shows realizados no Espírito Santo, como o Festival Dia D e o Teatro Edith Bulhões. Não seria maravilhoso pegar os melhores momentos da vida e vivê-los, de uma vez só, novamente. Pois se em nossa triste limitação tempo-espaço, isto não é possível, a banda capixaba herança deu um jeito de passar uma rasteira na regra.
Com o novo CD, intitulado "Random", a banda formada por Jonathan (vocal), Nelinho P2 (baixo), Léo Molini (guitarra), Barol (teclados) e Jorman (percussão), reuniu momentos marcantes da carreira (no estúdio ou ao vivo) para celebrar os bons ventos.
Atualmente radicada em São Paulo, a banda busca não somente presentear os fãs com grandes momentos, mas também alcançar horizontes maiores.
O álbum conta com dezoito faixas escolhidas cuidadosamente. Além de novas roupagens para antigos sucessos, como "Sempre é Assim" do segundo CD de estúdio do Herança; e apresentações ao vivo consideradas fundamentais pelos componentes da banda.
O segundo trabalho,“Você é do Tamanho do Seu Sonho”, de 2004, foi gravado ao vivo e mostra toda a energia e a forte pulsação da banda em suas 15 faixas, sendo cinco inéditas e uma releitura de Led Zeppelin (“D’yer Maker”). Destaque para as músicas “Só a Verdade” e “Estrela Da Paz” que mais uma vez colocou a banda Herança Negra nas paradas de sucesso. No lançamento, os ingressos se esgotaram e cerca de 8 mil pessoas curtiram um super show no Clube Libanês, litoral de Vila Velha – ES. “Você é do Tamanho do seu Sonho” vendeu cerca de 10 mil cópias, independente.
“De Um Povo Guerreiro”, lançado em 2002, ainda com o nome de Herança Negra, tem 15 faixas com composições fortes e empolgantes como “Herdeiros Guerreiros” e “A Nova”. O Cd teve excelente aceitação do público capixaba e também vendeu aproximadamente 15 mil cópias. A banda saiu em turnê e tocou em 35 municípios dos 62 existentes no Espírito Santo. Fez shows ainda em Belo Horizonte, Bahia e São Paulo.
A música “A Nova” estourou e virou hit da banda, rendeu um vídeo clipe exibido na “MTV” em 2003 e foi destaque ficando nos primeiros lugares das paradas de todas as rádios, inclusive da “Rádio Cidade (filiada a 89 FM Rádio Rock)”, onde ficou à frente da música “By The Way” do “Red Hot Chilli Pepers” no ranking do público.



CURIOSIDADES:
Em 2005, o Herança Negra faz show em São Miguel Paulista - SP no evento “Projeto Reggae”, que contou com cerca de 3,5 mil pessoas. E, para surpresa da banda, a música “Estrela da Paz” foi cantada por toda galera, pois estava tocando na “Jah FM” (rádio pirata da Zona Leste). Fez shows em toda capital, litoral paulista e interior dividindo palco com bandas de reggae de expressão nacional como “Natiruts”, “Planta e Raiz” e “Tribo de Jah”. Já residente em São Paulo, a banda participou do “Festival Roots Reggae Joaca”, na praia de Joaquina, em Florianópolis, ganhando o festival com a música “Estrela Da Paz”.
De volta ao Espírito Santo, em 2007, para o lançamento de “RANDOM”, o grupo tocou para mais de 16 mil pessoas em Santa Maria de Jetibá, interior do Estado e ficou as três primeiras semanas de julho na lista dos CDS mais vendidos, de acordo com a Laser Instrumentos Musicais.
No CD “RANDOM” vale a pena conferir a versão ao vivo de "Caminhos do Reggae", com o vocalista registrando a importância da canção para a banda. Outro ponto alto do CD é a levada de Babilon System, perfeita para acompanhar no maior sossego. Paz pura!
Ao escutar a nova "Em algum Lugar" percebe-se a evolução da banda em sonorização, sem falar no refrão gruda-orelha ("O Amoooorrr, que existe em nós..."). Hit na certa!
A música “A Nova” é apresentada numa versão em remix, do DJ Rico Garcia, fechando a verdadeira celebração de carreira realizada pelo Herança Negra.



COMPONENTES:
Jonathan (vocal)
Nelinho P2 (baixo)
Barol (teclados)
Léo Molini (guitarra)
Jormam (percussão)





DISCOGRAFIA:
(2002) DE UM POVO GUERREIRO
01-Cidade do reggae
02-Sempre é assim
03-Adeus menina
04-A força de Jah
05-Herdeiros guerreiros
06-Incidental
07-A nova
08-Som do verão
09-Nosso amor
10-No caminho do reggae
11-Babylom system
12-Todo homem
13-Dia a dia
14-Insônia
15-Cego no tiroteio


(2004) VOCÊ É DO TAMANHO DO SEU SONHO AO VIVO
01-Cidade do Reggae
02-Só a Verdade
03-D’yer Maker
04-A Nova
05-Insônia
06-Estrela da Paz
07-Sempre é Assim
08-O Que me Leva
09-Caminhos do Reggae
10-A Cena
11-A Força de Jah
12-Babilon System
13-Som do Verão
14-Dia a Dia
15-Herdeiros Guerreiros


(2007) RANDOM
01-Em Algum Lugar
02-A Nova
03-Estrela da Paz
04-Sempre é Assim
05-Adeus Menina
06-Insônia
07-Nosso Amor
08-Caminhos do Reggae
09-Babilon System
10-Cidade do Reggae
11-Só a Verdade
12-Dia a Dia
13-Todo Homem
14-O Som do Verão
15-A Cena
16-Cegos no Tiroteio
17-Herdeiros Guerreiros
18-A Nova (remix)


(2008) HERANÇA NEGRA (EP)
01-Pra Ela
02-Soul Fly












VÍDEOS:



SITES:

domingo, 29 de setembro de 2013

CHEM-EN-EM

A banda Chem-En-Em teve início em meados da década de 90 na cidade Vargem Alta, sul do Estado do Espírito Santo e alcançou o sucesso no ano de 1997 quando lançou o seu primeiro CD “Chem-En-Em”, que vendeu mais de 15 mil CD’s só no Estado do Espírito Santo. Atualmente a banda teve uma reformulação e só ficaram os músicos Sanção e Coelho é da formação original. Em sua discografia já foram lançados dois CD’s e mais de 20 mil vendidos.


DISCOGRAFIA:
(1997) CHEM-EM-EM
01-Aula de Acordeon
02-Pegando Fogo
03-Castelo
04-Coração Apaixonado
05-Seja Como Antes
06-Roda Morena
07-Antena Parabólica
08-Como Dizer Te Amo
09-Os Capixabas são Donos do Forró
10-Bandeira do Brasil


(1999) FORRÓ CHEM-EM-EM



VÍDEOS:
Castelo

A Caçada do Sanção
A Caçada do Sanção (ao vivo)

Academia do Sanção

A Rabada



SITES:
bandachemenem@hotmail.com
https://www.facebook.com/BandaChemEnEm








sábado, 28 de setembro de 2013

FÁBIO COELHO

Natural de Cachoeiro de Itapemirim/ES, Fábio Coelho iniciou seus estudos em música no conservatório de música com a professora Elaine Manhães, que trazia consigo a dádiva de musicar talentos de sua terra.
Na década de 80, já residente em Vitória e integrante do “Piratas do Asfalto”, gravou via Lei Rubem Braga o CD “Estrada do Delírio”, registrando a ilustre participação do ícone do violão capixaba, o maestro Maurício de Oliveira e de artistas consagrados como Elaine Rowena e Alexandre Lima.
Após cinco anos residindo em Vitória, mudou-se para o Rio de Janeiro onde conquistou com o Reggae-Capoeira do Tafari Roots, o 1° lugar do FestValda – versão nacional, título que lhe abriu as portas do Rock’n Rio III, e posteriormente as do Canecão e do Circo Voador. Durante o período de lançamento do CD “Faca de Ponta”, o grupo excursionou pelo sudeste e sul do Brasil.
De volta à “Capital Secreta”, há três anos herdeiro e gestor da centenária Fábrica de Pios de Aves Maurílio Coelho, Fábio Coelho concretiza o seu primeiro álbum solo, o qual registra participações especiais de Zanashara e Zabelê, Filhas de Pepeu Gomes e Babe do Brasil e do renomado guitarrista de Blues Big Gilson.
O CD “Cheiro de Chuva” apresenta dez composições inéditas de Fábio Coelho, cuja instrumentação agrega os Pios Maurílio Coelho logo na primeira trilha, trazendo um certo “regionalismo peculiar” na obra.
Com uma tiragem de 1, 5 mil exemplares, o CD já está sendo vendido na Fábrica de Pios Maurílio Coelho, na Ilha da Luz, por R$ 10,00. O CD de Fábio Coelho, foi um dos contemplados pela lei municipal de incentivo à cultura Rubem Braga em 2010.
O lançamento do CD “Cheiro de Chuva” será no dia 12/11/2011, às 20h00, no Teatro Municipal Rubem Braga, na cidade de cachoeiro de Itapemirim, e terá duração de aproximadamente 1h20. Além de Fábio (voz e violão), sua banda é composta pelos músicos Niumar Santiago (voz e guitarra), Douglas Gonçalves (voz e baixo elétrico), Ronaldo Castro (flauta transversal), Giovanni Rodrigues (percussão) e Romildo Neves Santana (bateria).
Fábio revela alguns detalhes do show. “Minhas filhas, Maria Clara e Sophia, dançarão a música Menina do Coco, ao lado da dançarina Karina Xavier”.
Além disso, terá a participação de um quarteto de piadores, entre eles, seu irmão Gustavo Coelho Marins e os funcionários da Fábrica de Pios - Arildo Santos Oliveira, Jonathan Clarindo e Luciana Pinheiro. De acordo com Coelho, os pios se integram às canções trazendo certo “regionalismo peculiar” à obra.



DISCOGRAFIA:
(2011) CHEIRO DE CHUVA
01-Promessa
02-Deserto
03-Trapaça
04-Menina do Coco
05-Náufrago
06-Medusa
07-Cheiro de Chuva
08-Verdade
09-Autorreflexo
10-Ponto Final





SITES:






domingo, 22 de setembro de 2013

RABUJAH

Juliano Rabujah, de Cachoeiro de Itapemirim/ES, que até aos 18 anos não conhecia o cavaco, nunca teve pai batuqueiro e mãe que cantarolasse em rodas de samba resolveu se aproximar da música sem a menor pretensão. Deu no que deu. Rabujah formou o projeto Tabacarana em 2007 com o baterista Thiago Vieira e o baixista Andrey Junca. O powertrio faz música pra dançar misturando muito samba, rock e bossa no disco Virei no Samba, que também teve uma grande turnê pela Europa. Paralelo ao trabalho do trio, Rabujah continuou a compor e experimentar suas referencias musicais. Com melodias mais suaves e arranjos mais trabalhados suas novas composições já apontavam um novo caminho para a sua música, essa que acaba de renascer em seu primeiro disco autoral “O Que Meu Samba Tem”.
“O Que Meu Samba Tem” é uma resposta para as inquietações de um ritmo tão marcante em nosso cotidiano brasileiro, o samba. As 11 canções do álbum não se definem pelo título, na verdade ele nos convida para a partir do samba fazer uma viagem com novas paradas sonoras. O blues da faixa “Cleyton Cult” resume muito bem o trabalho de Rabujah, um urbano brincando de bohemio e nos ganhando pela poesia encaixada perfeitamente em nosso tempo. Sem falar da canção “Sou Ninguém” com o vocal requintado de Amélia Barretto que é de acalmar qualquer ouvido ansioso. O disco é um arrebate aos apressados por novos talentos da nossa terra, e que chega no tempo certo.
Cada vez que eu pego um disco para ouvir, eu rezo para que eu desaprenda tudo, tudo o que eu aprendi sobre música. Depois de muito tempo descobri que perder as referências pode nos despir para novos prazeres, mas o poder da sobriedade humana nos prende em infinitas memórias e cascas. Estabelecer-se como um crítico é envelhecer sobre cascas cada vez mais duras e desconfortáveis para aqueles que esperam um abraço verdadeiro para sua arte. Vou seguindo livre, ignorando as referências e entrando cada vez mais no mundo da crítica sensitiva. E hoje, encontro-me mais uma vez tocado pela arte de um amigo, de um artista grande, cheio de emoções.
Depois de passar lindamente pela musicoteca em 2011 com o seu disco O Que Meu Samba Tem, Rabujah volta renovado, incrível. Um compacto para desnortear os caçadores de influencias. Uma introdução responsável para sua nova direção musical, adiante, onde o bom gosto é ponto de partida e chegada. Uma paisagem pintada a mão para quem consegue realmente viajar dentro da boa música. Um disco eletrônico. Um disco orgânico. Um disco de amor. Um disco de pessoas. Um disco de estórias. Um disco de fatos. Um disco pop. Um pop responsável. Tudo feito em casa, onde as coisas realmente usam os ingredientes do prazer. Notável.
Acompanhando e pressionando a entrega do álbum, Rabujah nos fez esperar a gestão de sua beleza. Com todos os anseios e expectativas nasce Quarto e Sala. Impossível não sorrir ao ouvir sua obra. Um exagero de musicalidade que correspondo compulsivamente com elogios. Penso que, se alguém gostar desse disco, também gosta um pouco de mim, e vice versa. Acredito que no mundo da música os encontros são por sensações, e não importa como o tom possa soar, parados ou dançando, perto ou longe, estaremos exatamente no mesmo lugar. A música nos proporciona romper as barreiras, o silêncio e as histórias. E é exatamente assim que me sinto hoje, livre, novo. Um desprovido crítico em seu novo lugar, Quarto e Sala.



DISCOGRAFIA:
(2011) O QUE MEU SAMBA TEM
01. O Que Meu Samba Tem
02. Suma
03. Direito ao Assunto
04. Cleyton Cult
05. Sou Ninguém
06. Essa é Pra Nana
07. O Sonho de Maria
08. Valsa Barizon
09. Deixa Cair
10. Nada Que Mais
11. Se Puder Me Ouça



(2013) QUARTO_E_SALA
1. Exatamente Isso
2. A Moça do Café
3. Brinquedo de Papel Michê
4. Quarto, Sala e um Cachorrinho









VÍDEOS:



SITES: